Você está visualizando atualmente UMA LEMBRANÇA DA BOLA

UMA LEMBRANÇA DA BOLA

Muitos falam que no mundo do futebol existem muitas pessoas falsas, os famosos “traíras”. Embora não discordo desta opinião, tenho a convicção de que no futebol também é onde se adquirem grandes e verdadeiras amizades, algumas por toda a vida. Eu, vivendo há quase vinte anos no futebol, coleciono inúmeros amigos feitos através da bola. Inimigos? Nenhum, pelo menos da minha parte. E uma dessas amizades formadas foi com meu amigo Valnei, pai do Luciano Rezende, um Eterno Sangue Azul, como costumo chamar meus ex-alunos da Associação Sabesp Escola de Futebol. Passamos, em família, o último domingo juntos. Entre conversas aleatórias o que não podia faltar eram as resenhas do futebol e, principalmente, relembrar grandes histórias que vivemos juntos quando o Luciano, hoje com 26 anos, era um adolescente. A maior lembrança foi quando o Luciano foi disputar o Campeonato Paulista Sub-15 pelo Brasilis FC, em Águas de Lindóia-SP. Tudo se iniciou quando estávamos realizando uma grande campanha com o Sub-15 da Associação Sabesp, ao qual fomos campeões de um torneio em Patrocínio Paulista em cima do Monte Azul Paulista. Luciano, que era nosso lateral direito e capitão do time, estava “voando” naquela época, se destacando muito. Mediante grande desempenho, conseguimos uma avaliação no Brasilis, time do Oscar, ex-zagueiro do São Paulo e Seleção Brasileira na década de 80. Levamos ele e mais dois atletas nosso. Eles chegaram numa segunda-feira e ficariam até na quarta.

Chegando na quarta, o técnico dispensou dois dos nossos atletas e pediu para o Luciano ficar até sexta para mais avaliações, mas ele não queria ficar de jeito nenhum. Insistimos muito com ele, Valnei gastou mais de uma hora no telefone tentando convencê-lo. Conseguimos, por bem. Luciano ficou e passou na avaliação, alojando e se integrando ao grupo do Brasilis, jogando todos os jogos da primeira fase como titular. Sua família viajava todo fim de semana para Águas de Lindóia para acompanhá-lo. Uma pena que a equipe não estava tão estruturada para uma competição forte, com muitos problemas na parte ofensiva. Embora eliminada, Luciano ganhou bagagem e acabou conseguindo uma avaliação em Cotia, no São Paulo Futebol Clube. Conseguiu treinar bem, acompanhou o nível dos que já estavam alojados, recebeu elogios, mas não conseguiu o “sim” do São Paulo FC. Mesmo se empenhando bastante após esta experiência, Luciano foi perdendo a vontade de continuar. Por mais que tentávamos algo para ele, o segundo semestre para muitos clubes na época era de ostracismo. E a pressão da idade foi apertando, a ausência de oportunidades foi transformando a cabeça do atleta em uma cabeça de empresário, ao qual, até hoje, Luciano trabalha com o Valnei em sua fábrica de sapatos, crescendo a marca Frontini a cada dia. O futebol é assim, mas não existe frustração quando a gratidão de ter vivenciado momentos assim é maior. E contar e relembrar as aventuras da bola em um domingo em família é uma grande vitória. Seus netos saberão um dia.

Subscribe
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários